Seguro – saiba como obter o seu valor em risco (VR) e contratar a sua apólice de seguro de riscos patrimoniais, riscos operacionais, property

/ / Sem categoria
Compartilhe:

Seguros patrimoniais são apólices para cobertura de sinistros de ativos patrimoniais, desde uma casa até uma hidrelétrica. Englobam diversas coberturas, sendo as principais: incêndio, raio e explosão – chamadas de básica; alagamento, vendaval, queda de aeronaves etc. – chamadas de adicionais.

O maior desafio na contratação desse seguro é declarar o valor em risco, ou o valor de reposição do ativo sinistrado. Por exemplo, se uma edificação, construída há 20 anos, sinistrar totalmente, não será possível a reconstrução pelo valor histórico. Ou seja, o cliente segurado terá que contratar uma apólice de seguro pelo valor presente de reconstrução da edificação: metro quadrado da construção multiplicada pelo valor do metro quadrado, de acordo com o local e o padrão de construção.

Entretanto, deve-se catalogar o valor dos ativos que compõe a edificação: sistemas, maquinas, equipamentos, móveis, utensílios, entre outros.

A soma desse ativo (edificação + conteúdo) é o valor em risco declarado (VRD) pelo cliente. O cliente apresenta o VR, e a corretora/seguradora calcula o prêmio (custo do seguro) com base nesse dado.

Entretanto, caso ocorra um sinistro e seja necessário acionar a apólice de seguro, a seguradora enviará o time de inspeção para aferir e calcular o que se chama de valor em risco apurado (VRA). Nesse momento, três situações são possíveis:

1ª – VRD = VRA: Cenário Perfeito;

2ª – VRD > VRA: Cenário de risco e oportunidade de saving => O cliente segurado pagou mais prêmio do que deveria, pois supervalorizou o valor em risco. Irá receber de indenização a importância apurada pela seguradora, necessária para a reconstrução, e não o valor que segurou;

3ª – VRD < VRA: Cenário de risco e oportunidade de melhoria => Os contratos de seguros contém cláusulas diferentes sobre essa situação:

Seguro proporcional: a indenização será calculada na mesma proporção em que o seguro foi feito.

Cláusula de Rateio:

– VRD: R$ 60,00  – VRA: R$ 100,00  – VRD/VRA = 60%  – Prejuízo: R$ 50,00

– Indenização = 60% de R$ 50,00 = R$ 30,00. Ou seja, o cliente segurado almeja uma indenização de R$ 50,00, no entanto, devido à cláusula de rateio, receberá apenas R$ 30,00.

Seguro a primeiro risco relativo: contratualmente, a seguradora calcula uma margem para o “erro” para o VRD informado pelo o cliente segurado. Se o valor fixado pelo cliente se situar entre 80% e 100% daquele calculado pela seguradora, ela não aplica a proporcionalidade, ou aplica considerando essa margem de erro – 20%.

– VRD: R$ 60,00  – VRA: R$ 100 x 80% = R$ 80  – VRD/VRA = 75%  – Prejuízo: R$ 50,00
– Indenização = 75% de R$ 50,00 = R$ 37,50. O cliente segurado almeja uma indenização de R$ 50,00, no entanto recebe R$ 37,50.

Se o cliente segurado tivesse declarado R$ 80,00 (VRD), teria recebido de indenização todo o prejuízo aferido no sinistro, pois a relação VRD/VRA daria 100%.

Seguro a primeiro risco absoluto: a seguradora não apurará o valor em risco. Todo o prejuízo até o valor declarado pelo segurado será indenizado. Esse é o melhor tipo de contratação, porém o prêmio é o mais elevado e nem todo o tipo de negócio é elegível para esse tipo de contratação.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *